Novo endereço:

A partir de hoje você me encontra no www.livrosdaindigo.com.br
Te espero lá!



Escrito por Índigo às 10h04
[] []





31 de outubro de 2012

Dia das bruxas, uma bela data para encerrar esse blog. Foram 6 anos de escrita regular, com alguns buracos e tropeços no meio. Agora vou mudar de endereço, visual e estilo. Chega de falar de mim. A partir de amanhã, além desta que vos escreve, meu blog conterá vozes do além. Hehehe! E mais não digo.



Escrito por Índigo às 15h18
[] []





Eixo Cerqueira César – Taguaí

Hoje comecei o dia numa biblioteca que fica numa antiga estação de trem. De microfone na mão, falando para quem quisesse ouvir, pois dessa vez a apresentação foi ao ar livre. Junto ao palquinho improvisado, os alunos menores. Mais ao fundo, os maiores, e por toda volta gente da cidade que ia chegando de fininho para ver. Alguns sentavam num banco e ficaram até o fim. Um senhor de bengala e chapéu, uma moça, um homem de bicicleta, gente de todo tipo. Eu lia contos, contava umas histórias, falava dos meus blogs e me sentia uma espécie de caixeiro viajante cibernético que chega na cidade e começa a mostrar as novidades.  

Depois segui para Taguaí. O encontro foi num auditório, num formato bem formal. Logo de cara uma surpresa comovente. Abro o exemplar de “Cobras em compota”, do acervo da biblioteca, e dou uma olhada no cartão de entrada e saída do livro. Constato que ele está bem rodadinho. Começou a circular pela cidade em 2008 e não parou mais. Gostei!

Agora estou em Fartura. Já passei em frente a biblioteca e vi a minha cara estampada na porta de entrada. Algumas leitoras já entraram em contato, então tudo indica que o papo será bem animado. Amanhã continua...

 



Escrito por Índigo às 20h57
[] []





A formiguinha falante

No meu dia a dia eu mal falo com as pessoas. Fico em casa, escrevendo, quieta. A única pessoa que eu vejo é o Marido. O resto da humanidade só aparece através de quadradinhos no Facebook ou e-mails. Mas, desde a semana passada eu tenho falado com um montão de gente. Pego o microfone e vou contando algumas histórias, sobre minha vida, meus personagens e o maravilhoso mundo do faz-de-conta. Ao final da conversa os leitores se aproximam e folheiam os livros, comentando que ficaram interessados em ler esse ou aquele. Hoje, em Palmital, foi assim. Eu saio feliz da vida, sentindo que cumpri minha missão, como um micro-super-herói, uma formiguinha que vai de cidade em cidade, com sua maleta cheia de livros. Agora fico pensando... Quem diria que algum dia meus livros chegariam em Palmital? Penso em Adolf Hitler com seus mapas mirabolantes, invadindo a Europa. Quando chegar em casa vou pregar um mapa na parede. Quero ter o gostinho de fincar um alfinete em Palmital.



Escrito por Índigo às 21h12
[] []





Um amigo para Tchick

No caminho para Lençóis Paulista encontrei o companheiro ideal para Tchick, meu novo personagem predileto. Chama-se Mayol, que se define como “um senhor de Barcelona”. Ele habita as páginas de “A viagem vertical”, de Enrique Vila-Matas e, como Tchick, embarca numa viagem estapafúrdia. O livro é um relato dessa viagem, agora no eixo Barcelona – Porto - Lisboa – Ilha da Madeira. Como Tchick, Mayol me levou junto e, ao final do livro eu senti um aperto no coração. Mas agora ele está numa conversa animada com Tchick. Tenho certeza que estão chocados com o que sai da boca do outro. Claro que com o tempo vão se tornar grandes amigos. Os dois têm a capacidade de dar um passinho para trás e sacar os mecanismos do mundo. Mayol se sente um adolescente e Tchick, com seus 16 anos, sabe o que está fazendo.

Enquanto isso, na minha viagem particular, hoje sigo para Palmital, onde converso com uma turma de leitores. O encontro de ontem, aqui em Lençóis foi especial. Um público eclético e interessadíssimo, numa biblioteca super charmosa. Havia alunos do ETEC, do Objetivo e pessoas da cidade, gente interessada em dedicar uma noite de segunda-feira a conversar sobre escrita e leitura.



Escrito por Índigo às 09h15
[] []





Dias perdidos

Há mais ou menos dois meses passei a escrever meus diários no computador. Foi um ato de coragem. Antes, fazia meus relatos em cadernos, assim como meu bisavô fez durante toda sua vida. Seus cadernos resistem até hoje. Estão guardados dentro de uma caixa, no meu escritório. Vira e mexe eu abro um caderno escolhido ao acaso e leio passagens da sua vida. Enquanto isso, reviro meu computador tentando descobrir o que aconteceu com os últimos dez dias de outubro de 2012. Sumiram. Isso nunca tinha acontecido comigo antes, e eu escrevo diários há décadas, desde o século passado. É uma sensação horrível. Criou-se um buraco na minha existência. Uma solução seria fazer várias cópias, o que significa ficar espalhando minha vida por aí, em servidores remotos altamente suspeitos. O que mais me intriga é que esses dez dias não foram deletados. Eles estão em algum lugar, fora do meu alcance. Que eu não tenho controle sobre o meu texto eu já sabia. Mas juro que nunca imaginei que chegaríamos a esse ponto.

Agora vou para Lençóis Paulistas, dar início à minha Viagem Literária.



Escrito por Índigo às 10h49
[] []





Em Marília, pensando cada coisa...

Amanhã às 8 da manhã tenho um encontro com 50 crianças. Dá medo, frio na barriga e vontade de traçar um plano de ação, tipo operação de guerra.

Há anos eu faço isso e é sempre esse mini estresse. Fico pensando no que dizer e no que fazer caso comecem a pular em cima de mim ou gritar ou subir pelas paredes. Sempre me pergunto se eu não deveria levar um apito, um bumbo ou uma corneta. Se devo fazer uma coreografia e entrar sobrevoando o palco, amarrada por um cabo de aço.

Fico me perguntando: “O que será que elas querem saber a meu respeito?”

Só depois que passa é que me dou conta de como sou tonta. Até hoje elas nunca morderam ou arrancaram meus cabelos. O papo costuma ser ótimo. Aliás, sei lá o que acontece que parece que estou conversando com um grupo de amigos. Mas até lá fico assim, apavorada com o que será de mim, imaginando coisas que é melhor nem dizer.

Se você estiver por essas bandas, fica o convite.

Amanhã, às 8h no Espaço Cultural "Ezequiel Bambini".

O evento 2ª Semana Criança e Arte Unesp/Marília, é um evento do PET Ciências Sociais, que acontecerá do dia 15/10/2012 a 19/10/2012.



Escrito por Índigo às 19h50
[] []





Uma série de viagens

Amanhã viajo para Marília, para participar do “Criança faz arte?”

Na semana seguinte, Lençóis Paulistas, Palmital, Cerqueira César, Taguaí e Fartura.

Depois, Caxias do Sul e Porto Alegre.

Sempre conversando com leitores, visitando bibliotecas e escolas. É uma adrenalina. São desses encontros que eu tiro inspiração e determinação para seguir adiante. Então, lá vou eu...



Escrito por Índigo às 20h58
[] []



TOPO


 

© Vida no Campo 2009. Blog da Índigo